O SILÊNCIO QUE MATA
Abril 30, 2019
PT aciona Supremo contra portaria de Moro que endureceu regras de visitas em presídios federais
Abril 30, 2019

O Leite da liberdade

O LEITE DA LIBERDADE

No peito um aperto. Ofegante, tento buscar o ar onde sobra angústia. Em meio a um voo turbulento rumo ao sul do país penso na difícil missão que me esperava. Devia eu buscar libertar uma advogada, que gozava da minha amizade e estava enlaçada num difícil enredo que envolvia o sistema federal e o chamado crime organizado.
Enquanto tentava buscar explicações para o ocorrido, que só por alto me fora relatado, pensava na sua condição humana. Mulher viúva, com um bebê em fase de amamentação e provedora de um lar com nada menos do que 4 crianças e uma irmã também viúva e doente.
Desço apressada da aeronave, tomo um rápido café para ainda atravessar duas horas de estrada até a delegacia onde ela estava presa.
Em que pese a costumeira sensibilidade com a causa humana da liberdade, estava diante de algo novo para mim.
Ao me defrontar com a minha amiga na prisão já não cabiam cobranças tampouco explicações para os fatos que levaram aquela advogada à condição que estava. Ali eu só via a mãe e a provedora do lar, que estaria agora inteiramente vulnerável diante da tragédia da prisão.
Após um longo abraço, seco as lágrimas daquele doloroso reencontro e sigo para a justiça buscando as primeiras linhas para traçar a liberdade da advogada.
Após alguns dias de luta na primeira instância daquela fria cidade recebo o primeiro não daquela via-crussis.
Com o coração pesado e depois de cuidar das necessidades materiais da amiga, tomo o avião rumo a próxima instância com os olhos marejados.
– [ ] A reflexão humana sobre o crime naquele momento era de somenos importância. A lei havia classificado a conduta daquela mulher como a de um pombo-correio, uma vez que teria servido(em tese)ao propósito de levar recados para condenados encarcerados sobre o mercado ilícito de drogas. A lesividade da conduta ou o dolo do ato, naquele contexto não legitimavam a prisão antecipada daquela chefe de família.
– [ ] Depois de um longo trabalho preparatório chega enfim o dia do julgamento. Tomo a tribuna com o coração transbordando esperança, mas é com a beca encharcada de lágrimas que deixo o púlpito com o segundo não que teria que noticiar a corações sofridos.
– [ ] No voo de volta revejo as fotos daquela família devastada e traço os rumos do trabalho que seria reiniciado nos tribunais superiores.
– [ ] Munida da história de uma tragédia real apelo para a comiseração humana de assessores e do ministro relator para a brevidade no julgamento. A emoção a cada ida aos gabinetes opera o milagre de um julgamento de mérito com quarenta dias da impetração. Os olhos verdes e atentos do bebê que não tinha mais o seio materno para prover suas necessidades povoavam a minha mente e direcionavam as minhas palavras.
– [ ] Naquela tarde os cinco ministros que compunham a turma julgadora dariam ao público presente uma aula de humanidade e de devido processo legal. Com a beca agora
– [ ] encharcada das lágrimas da vitória, saio apressada para levar a boa nova à família e a minha amiga.
Aquela liberdade seria o bálsamo necessário as dores daqueles pequeninos e caminho para redimir as consequências desastrosas de uma prisão desnecessária.
– [ ] Dias como esse ficam marcados para sempre na nossa memória. Quando eu tiver me tornado adubo, essa história, que não é sobre mim nem sobre ela, ainda será um exemplo do que a justiça deve ser para a sociedade.

Os comentários estão fechados.